Carta ao amor que partiu

Antônia,

Hoje soube que você faleceu, e foi triste saber que o mundo não terá mais a oportunidade de conhecer essa pessoa maravilhosa. Eu penso que você tinha uma sensibilidade tão grande e um coração maior ainda, e até o carteiro que você atendia tão amorosa levou um pedacinho de você com ele (mal sabe ele que você só estava esperando o seu livro chegar). Antônia, é difícil viver num mundo em que você não faz mais parte. Mais ainda, é difícil explicar para as pessoas como me sinto, porque, para ser sincero, ainda não senti nada. Estou em êxtase, e tentando me agarrar às coisas boas que você me trouxe. Ainda não entendi que você morreu. E escrevo essa carta para tentar ficar mais perto de você, aguardando que tudo não passe de uma brincadeira de péssimo gosto e você chegue mais cedo a nossa casa e leia esta carta; em seguida, quero que pule na cama como você sempre faz (sem tirar os sapatos, e isso me deixa furioso). Hoje, em especial, eu não ficaria furioso. Eu ficaria feliz, Antônia. Em te ver sorrir de novo. O seu cheirinho tão peculiar, apesar de sempre perfumada com ótimas fragrâncias, eu consigo sentir. Até no escuro dá pra te ver, e até numa perfumaria inteira eu conseguiria identificar você, pelo seu cheiro peculiar: uma mistura de amaciante de roupas, café e shampoo de lavanda. Uma mistura incrível é o seu cheiro.

E pensar que ontem tínhamos brigado, e você saiu sem falar comigo para ir ao trabalho. Você sofreu um acidente que não foi sua culpa. Não odeio quem estava dirigindo o outro carro. Ele sobreviveu, e até na hora da morte, Antônia, você foi generosa. Perguntou se ele estava bem a caminho do hospital, já na maca. Ele me ligou desesperado perguntando o que eu era seu. Eu precisei pensar por alguns segundos para responder, porque sou tanta coisa seu: sou seu amigo, seu namorado, seu abraço, babá e também faxineiro (você deixa um furacão por onde passa!). Disse, por fim, que era seu namorado,porque era assim que a sociedade quer que eu responda.

A sociedade vai querer que eu siga em frente, e eu pretendo fazer isso, afinal, preciso manter uma Imagem. Se você estivesse aqui, provavelmente riria de mim, porque você sempre foi contra qualquer tipo de convenção social, menos o casamento. Eu não te entendo, Antônia. E sempre foi um prazer não te entender. E, sempre terá sido, um prazer te conhecer. Você foi minha por exatos 7 anos, e não poderia ter sido mais feliz ao seu lado. Eu te amei por 7 anos presencialmente, e te amarei pelo resto da minha vida à distância. Prefiro pensar que você foi recrutada pela NASA a uma missão no espaço e te encontrarei daqui a uns anos (depende do tempo-espaço do planeta que você estará, que nem naquele filme Interespacial com aquele cara que você acha bonitão). Você adorou o filme do início ao fim, e eu só queria que acabasse logo. Sabe que não gosto de coisas que não são reais. Agora, Antônia, eu acredito em qualquer coisa que me faça pensar que vou te ver de novo.

Espero que você esteja se alimentando, dizem que no espaço os astronautas comem muito mal. Em breve, eu te encontro. Não sei quantos anos eu vou ter, nem mais o que eu vou ter feito na vida, lembra do Plano? Sim, o Plano. Eu tinha tudo definido na cabeça mas agora não sei mais. Vou seguir com o Plano porque sem isso minha própria existência estaria inútil agora. Te darei muito orgulho! O pessoal da editora vai me ligar e vou conseguir lançar meu livro. Não é sobre você o livro, mas o segundo, com certeza será. Usarei um nome fictício para não te expor, sei que você odeia ser o centro das atenções (mas ao mesmo tempo ama).

Não vou ao seu velório porque acho muito mórbido, você lutou muito para viver e você não merece que se despeçam de você com tristeza. Você era alegria, e eu sempre te falava isso. Eu tive sete anos pra conviver com você, e foram de longe os melhores anos da minha vida. Te amei em todos os momentos, até nos que você me enlouqueceu (você fazia com frequência), mas eu não ligava, nunca liguei. Na verdade, queria voltar nos momentos que brigamos e interromper tudo com um grande e longo abraço. Você provavelmente não entenderia nada e ficaria tentando se soltar, espumando de raiva. Mas eu não ia deixar. Só eu sei a falta que esse abraço vai me fazer.

Com amor, ou não

Henrique

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s